Sobre a exclusão territorial urbana

Por Thelma Torrecilha

Violência contra moradores escancara exclusão territorial urbana

De Nabil Bonduki, Na Carta Capital

A perspectiva de solução favorável ao conflito gerado pela tentativa de reintegração de posse na ocupação chamada de Pinheirinho II por seus moradores requer debater as alternativas para superar os processos de exclusão territorial urbana que até hoje têm prevalecido.

A gleba ocupada situa-se no distrito de São Mateus, Zona Leste, a cerca de trinta quilômetros do centro de São Paulo. A região simboliza uma forma excludente de construção da cidade. Segundo a história oficial, na década de 1940 a família Bei (cujo patriarca dá nome à principal avenida do distrito) começou o processo de parcelamento do solo, vendendo lotes a prestação, com a estratégia de doar tijolos e telhas para os trabalhadores que buscavam realizar o sonho da casa própria por meio da autoconstrução da moradia. Embora situada em São Paulo, a região foi procurada pelos operários do ABC, que fica nas proximidades.

Enquanto a área central e o quadrante sudoeste de São Paulo foram irrigados com grandes obras viárias e implantação de equipamentos urbanos e sociais, São Mateus ficou abandonada, desenvolvendo-se pela iniciativa de seus próprios moradores, embora seu crescimento populacional tenha sido superior à média da cidade, caracterizado pela urbanização precária ao lado de remanescentes da produção rural e industrial do começo do século passado. Apesar da expansão de um forte comércio local nos últimos trinta anos, a região ainda carece da presença do estado para usufruir dos benefícios que a cidade produz.

O local onde se localiza o Pinheirinho 2 situa-se no extremo do distrito, na divisa com a Cidade Tiradentes e próximo à nascente do Rio Aricanduva, ao aterro sanitário São João e à APA (Área de Proteção Ambiental) do Iguatemi. O lugar é cercado de um lado por antigos loteamentos populares nascidos irregulares e regularizados a partir da década de 90, de outro por imensas tiras de terras que ainda conservam sua condição natural. Por isso o Plano Diretor Estratégico, aprovado em 2002, e os Planos Regionais Estratégicos em 2004, classificaram parte do distrito como macroárea de urbanização e qualificação, e outra parte como macroárea de proteção ambiental.

Segundo as lideranças da ocupação, a maioria das famílias que mora no local foi removida em função da obra de extensão da Avenida Jacu-Pêssego, que permitiu a ligação da Ayrton Senna ao Rodoanel, realizada pelo governo do PSDB. Sem alternativa, as famílias optaram pela forma comum de acesso à moradia na região – a compra ou ocupação de um lote, ainda que irregular.

O proprietário, não se sabe se tão vítima assim ou se conivente com a situação, recorreu ao Judiciário. O processo corre na 4ª Vara Cível da Comarca de Itaquera (São Mateus não tem um Fórum Judiciário local, apesar de sua população ser maior do que a maioria das cidades do estado). No processo civil moderno jamais um juiz deveria conceder uma liminar de reintegração sem antes procurar conhecer a realidade das pessoas envolvidas. Há, inclusive, uma previsão expressa no projeto de novo Código de Processo Civil que determina a obrigatoriedade da tentativa de conciliação entre as partes antes da tomada de decisões com grande impacto social na vida daquelas que mais precisam do Judiciário. É por isso que lamentamos profundamente o posicionamento do Judiciário no caso.

Leia mais:
Dois anos sem o Cine Belas Artes: sim!, há o que comemorar
Sem tetos reformam o próprio prédio no centro de São Paulo
Ocupação de sem teto tem creche, filmes e planeja biblioteca

Voltando aos aspectos políticos, o histórico da obra da Avenida Jacu-Pêssego é típico de uma forma de administração ineficaz: pouco diálogo entre os entes governamentais, completa desarticulação entre as obras públicas e o atendimento da população moradora e o absoluto desrespeito ao planejamento local. Ao lado da área ocupada há uma enorme gleba classificada no PDE como ZEIS 2 (gleba vazia destinada à produção de habitação de interesse social) e, portanto, disponível para a produção de moradia popular, que continua completamente inutilizada.

Em vez de construir moradias dignas para as famílias que foram removidas, o governo estadual preferiu, por meio da Dersa, conceder verba indenizatória, “solução” rápida e mais barata mas que, sem resolver o problema habitacional, acaba por levar as famílias para áreas de risco, ocupações irregulares ou áreas de proteção ambiental.

O prefeito Fernando Haddad fez bem em intervir no conflito, desapropriando a área por meio do decreto 53.797/13. Mas é apenas o começo possível de um longo caminho para garantir habitação digna para essas famílias, com segurança na posse, infraestrutura, serviços públicos e novas moradias. Sem criar empregos em uma área situada na Zona Leste, a trinta quilômetros do centro de São Paulo, esses trabalhadores continuarão a perder muitas horas por dia para chegar ao trabalho. É por isso que precisamos implementar uma reforma urbana em nossa cidade, como proposto no Plano de Governo de Fernando Haddad.

*Nabil Bonduki é vereador em São Paulo pelo PT. Arquiteto e professor da FAU-USP, é livre-docente em Planejamento Urbano. Foi superintendente de Habitação Popular (governo Luiza Erundina), vereador e relator do Plano Diretor Estratégico de São Paulo (2001-2004) e secretário Nacional de Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente (governo Dilma).

Nenhum voto
5 comentários
imagem de LF Pereira
LF Pereira

Não é tranqüilo o meu posicionamento a respeito de ocupações irregulares de áreas públicas ou invasões que afrontam o direito de propriedade de particulares ou pessoas jurídicas. Não é da minha conta se terrenos ociosos estão reservados à especulação ou aguardando empreendimentos geradores de empregos e desenvolvimento.

Parece-me cinismo e hipocrisia emprestar solidariedade a atitudes ilegais de desfavorecidos sociais desconsiderando direitos de pessoas eventualmente privilegiadas economicamente. Há muitas razões para a pobreza: azar ou falta de esforço. Há outras tantas para a riqueza: sorte (herança, por exemplo) ou trabalho e empenho pessoal. São males ou bônus circunstanciais presentes na vida humana que independem do capitalismo ou do socialismo.

Ao Estado cabe o fornecimento de meios e condições básicas (saúde, educação, saneamento, etc.) e não a obrigação de me dar casa e abastecer a minha mesa. Não é viável. Pode-se exigir dele, o Governo, a preocupação social e as ações indutoras.

É fácil aderir ao “coitadismo” quando o esbulho acontece com terceiros que nem conheço e não no meu quintal ou ao lado da minha casa para deteriorar o meu ambiente, depreciar a minha propriedade, emporcalhar a água que eu bebo ou me trazer aborrecimentos e insegurança.

Se não há “caixa” para dar casa de graça e nem para financiamento a um segmento onde muitos nem podem pagar, por que não mapear a cidade, desapropriar áreas específicas e construir embriões de residência?   Lotes de 5x20=100 m2, com alicerce para2 quartos, sala, cozinha e banheiro. Faz-se um cadastro seletivo de necessitados ou interessados e o cidadão que se vire para construir o seu teto. Quem quiser morar no Morumbi ou perto do “shopi” vai ter que ralar um pouco mais.

Ah! Com sorteio diário pela milhar da Federal. Tudo bem, paulatinamente e de forma precária, muitos serão beneficiados e muitos espertalhões irão alugar, vender e lucrar com a inteligente aplicação do dinheiro de impostos pagos por toda a sociedade. Aliás, esses beneficiários também pagam impostos sobre alimentos, remédios, água, luz, etc. E ainda elegem os Tiriricas e Felicianos da vida.

Minha ironia não é “direistismo”; sou “centro-esquerda”. É apenas uma sugestão simples, abrangente e menos onerosa ao Governador do PSDB e ao Prefeito do PT. Xô! pobreza.......de idéias.

 
 
imagem de Weezer
Weezer

Ótimo comentário, bem-intencionado e com visão de REALIDADE. Fica ainda o fato de que o Brasil JAMAIS será um país "moderno" enquanto essas favelas tenebrosas continuarem existindo. São ocupações ilegais e sempre serão. Essas pessoas que moram lá e acham bom deveriam estar morando dignamente, em casas, em cidades menores e melhores, que conseguiriam recebê-las em seu tecido urbano. Possivelmente em seus estados natais.

 
 
imagem de Maria Magda Caiafa
Maria Magda Caiafa

Aqui também cabe a frase de Joaquim Nabuco " A escravidão permanecerá por muito tempo como a característica nacional do Brasil". É o processo histórico que tirou os negros das senzalas e não lhes permitiu virar cidadãos brasileiros. Foram sempre ignorados pelo Estado de Direito. Aos ricos esse Estado garante inclusive a manutenção da escravidão. Devagar estamos fazendo a verdadeira abolição neste País, ao distribuir a renda e dar condição para esses brasileiros competirem de igual com os brancos. Porém como diz a Bíblia: ORAI E VIGIAI!

 
 
imagem de Assis Ribeiro
Assis Ribeiro

Qual a diferença entre Pinheirinho, a desocupação do terreno do Jardim Iguatemi e a Aldeia Maracanã?

Por que aplaudimos Haddad que freou mais um movimento higienista, de gentrificação, da vida urbana?

Por que criticamos Alckmin quando não impediu a desocupação de Pinheirinho? 

Qual o nosso posicionamento em relação à Aldeia Maracanã? 

O que importa são defesas de princípios ou apoio a A ou B?

 
 
imagem de josé adailton
josé adailton

Enquanto nosso país de dimensões continentais não se entende nas suas questões sociais referente à moradia de sua população mais humilde, a pequenina Taiwan começou a construir um impressionante edíficio que terá aptos. de 540 m². O "AGORA GARDEN".

http://economia.ig.com.br/2013-03-30/agora-garden-o-predio-inspirado-no-dna.html

 
 

Postar novo Comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
CAPTCHA de imagem
Digite os caracteres exibidos na imagem acima.

Faça seu login e aproveite as funções multímidia!